Redemption for the stars

Em noites claras de verão, eu gostaria de encontrar grandes espaços vazios. Encontrar campos como o tamanho dos oceanos, enquanto o vento orquestra danças de balé com as folhas fugitivas.
Deito com o meu casaco debaixo da minha cabeça, mantendo o sangue fluindo por todo o meu corpo.

Eu respiro facilmente.

Meu corpo afunda no meio da grama. Insetos que eu não conheço ou que não posso ver viajam pelo meu corpo.

Eu olho para cima, para o espaço, transcendendo minha vista, passando nossa atmosfera.

Eu posso ver mais que os aviões.

Quando eu olho para cima, para o belo, claro, céu nortuno, eu vejo caleidoscópios do infinito

Não existe fim.

Não existe distinção do espaço entre as estrelas.

Cada pedaço de espaço entre mim e a lua contém os mesmos elementos que construíram os caminhos do meu fluxo sanguíneo.

Eu choro debaixo de meus olhos os mesmos ingredientes encontrados nas estrelas, e quando estou inspirado minha mente treme através de todas as fendas do meu ser.

Consciência é a forma de comunicação entre nós e o universo que a nossa tecnologia ainda não pode compreender. Não há lógica ou pensamento para resolver o seu mistério, nenhuma equação quadrática ou teoria da relatividade e nada de teorema de bell, é puro material espiritual.

É simplesmente um sentimento, uma consciência, um reconhecimento do mistério que nos mantém nobre.

A capacidade de ouvir uma batida do coração no meio de um momento de silêncio na chuva.

Um sentimento de unidade com o mundo ao seu redor, o instinto da sincronia entre o corpo e a mente.

Questionamos a nossa origem.

Pensamos sobre a nossa existência.

Nós respiramos para saber se estamos vivos, bem como também ao vivo.

E não há nada de sobrenatural nas estrelas.

Melhor do que isso, há algo de sobrenatural no ato de estrelar as estrelas. Existe um misticismo que cobre nossos corpos como um perfume, e, faz com que não consigamos mover nossos pescoços enquanto nossa visão é fixa no infinito cintilante das estrelas.

Além do panorama do universo que está na minha visão , poucas outras coisas estão na minha mente.

E eu não estou mais em qualquer lugar.

Eu sinto o chão mas não o consigo ver e então, lentamente, eu perco a minha identidade.
Minha mente continua e eu começo a ver centenas de estrelas além do meu foco. Centenas, talvez milhares, de pequenos pontos como grãos de areia que podem ser encontrados na cachoeira que é o céu.

Além deles, eu vejo você.

Oportunidade unica de me desculpar pela minha incompetência e imperfeição. Nunca serei como as estrelas.

Me perdoe.

Por um breve instante: eu sou nada, sou altruísta e sou tudo.

(Redemption for the stars,  uma reflexão para um novo nível de compreensão de um individuo ainda extremamente coletivo)

Sobre AA

"Não sou tão careta quanto pareço. Nem tão culto. Não acredite em nada do que eu escrever. Acredite em você mesmo e no seu coração."
Esse post foi publicado em Caminhos Da Vida, Tales of Nonwhere e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s