“Open up your senses.”

Ao longo de nossas vidas, temos períodos em que não sabemos para onde estamos indo com nossas vidas ou o que deveríamos estar fazendo. Uma ruptura ruim, perda de emprego ou de um ente querido e um amor perdido pode fazer metas que uma vez imutáveis pareçam menos relevantes.

Tornamo-nos um pouco perdido, mas aquele sentimento perdido parece estranhamente certo para o momento. Estamos em tempo de inatividade. Inatividade é um período onde reagrupamos, conservarmos energia e se pomos a entender as figurações e representações que várias coisas tem em relação a nós. Se o tempo de inatividade se estende por muito tempo ficamos impacientes e acham que devemos estar fazendo algo mais.

No entanto, após estar sem direção por tanto tempo, é difícil descobrir o que deveríamos estar nos movendo em direção para. Quanto mais nós tentamos fazer-nos mover, menos atraente nossas escolhas parecem. Nada do que fazemos parece síncrono com nós mesmos.

Para quem me conhece mais afundo, sabe que eu culpo quase todos os problemas pessoais de um ser pelo seu foco. “Foco é tudo” , como diz eu para alguns de meus amigos. E esse texto é totalmente sobre a minha relação com esse conceito de foco,  não sobre o foco certo no lugar certo, mas sim sobre o foco na essência.

Seja a pessoa certa.

Existe um coisa mágica sobre essa ‘expressão’ , x certa. Não sei de onde vem, nem como é que ela surgiu, mas é mágico. O mágico é que, quando um objeto do tipo pessoa está sobre um atributo do tipo certo (pessoa certa) ele ganha o poder de fazer as coisas certas, mesmo sem ter nenhuma direção apontada , mentalizada ou pensada.

Integrando mais isso a um individuo. Achar a essência da pessoa certa em si mesmo é não precisar ser gerenciado. Nem se auto gerenciar , nem ter que acreditar em algo maior ou coisas do tipos. É você poder focar no seu alvo sem criar relações de dependência com coisas arbitrarias.

Por exemplo, se você se vê como um artista ou um escritor e quer ganhar a vida em seu ofício, ser a pessoa certa significa ser alguém que pratica seu ofício todos os dias.Escritores que vivem na escrita aprendem a superar a procrastinação. Eles escrevem um certo número de palavras por dia, mesmo quando eles não são inspirados. Eles sabem como compor alguns padrões de texto e atraem editores. Se você quer trabalhar como escritor, você precisa ter hábitos e conhecimentos em primeiro lugar.

Figurando o que é certo e errado

Não samos apenas uma coisa. Como uma empresa, nossas vidas são uma complexa teia de relacionamentos. Uma empresa não é somente seu presidente. Igualmente uma pessoa não é somente um escritor, ou apenas um pai.

É quase um padrão, que antes que alguém começa a montar um negócio, os mesmos devem anotar o organograma de empresa, dos cargos altos até os baixos, do começo ao fim. Em cada peça do organograma eles escrevem as responsabilidades e tarefas específicas que vão fazer aquela posição sucesso total. Desta forma, nenhuma responsabilidade se perdeu. Para um micro empresário, em primeira estancia, ele escreve o nome dele em todas as posições e faz todas as tarefas. Conforme a empresa cresce, o proprietário contrata pessoas para substituírem seu nome no organograma.

Essa ideia de organograma é em nível uma interpretação direta de um ciclo na vida. Qualquer vida requer um conjunto de papéis que são trocas em variadas  instancias. Esses papéis exigem determinadas responsabilidades e tarefas afim de serem completados com sucesso, eles traçam alguns de nossos comportamentos e também ajudam a criar nossa personalidade real. Por exemplo, se o pai é um dos papéis em nossas vidas, em seguida, uma das tarefas necessárias é passar tempo com nossos filhos. Se gastarmos tempo zero com eles, então, ser bem sucedido nesse papel é improvável.

Esses papéis podem ser interpretados como arquétipos junguianos, mapas de comportamento que estão jogados no inconsciente coletivo, e que estamos passando de um para outro o tempo todo.

Alguns de meus papéis são irmão, filho, trabalhador, escritor, estudante, aluno etéreo, amigo. Claro que não todos, mas vale lembrar que os papéis não existem por conta de relações externas mas também internas, isto é, existem papéis que interpretamos para nós mesmos.

E sim, todos esses papéis tem sub-papéis, eu poderia agrupar uns 30 papéis meus em um só. É como na programação que você define classes mães e filhas. Eu tenho um conhecido que diz que um papel dele é melhorar a vida das pessoas que estão na vida dele, eu sempre digo para ele que essa é minha visão de amigo e ele sempre diz que existem coisas maiores. Agente vive aquela conversa cíclica que só parece inútil para pessoas de fora.

Embora nossos papéis (puta que pariu, não tem sinônimo para isso não?) não sejam nossa identidade, a soma deles, é basicamente a vida que vivemos.  Tudo que eu quero estar fazendo na minha vida cai dentro desse esquema. Por exemplo, eu gosto de escrever textos aleatórios quando tenho uma chance. Isso me dá a chance de relaxar, isso cai tanto no papel de escritor como no papel de independente (ou algo como auto-cuidador, aquela palavra que representa a pessoa que pode cuidar de si mesma sem vínculos externos).

E por acaso, esses papéis se relacionam diretamente ao que queremos conquistar, como visto no exemplo do organograma da empresa. Funciona muito bem para coisas materiais como alguns devem ter pensado em primeira mão. Mas se o que queremos é mais abstrato , como , por exemplo, ser mais extrovertido ou ter um pensamento lógico mais envolvente? Então, um pré requisito de ser é fazer. Não podemos ser mais extrovertidos, sem fazer as coisas que nos tornam mais extrovertidos. Não podemos ser melhor em lógica sem nunca ter jogado um sudoku (claro que isso é um exemplo agressivo, você pode ser muito bom em lógica por outros meios, eu mesmo estou longe dessa generalização).

O propósito de tudo

Papéis preenchem necessidades, existem necessidades básicas que cada um de nós tem para viver e estas são supridas pelos nossos papéis. Exemplo claro é, uma das minhas necessidades criticas é o crescimento, para isso eu tenho amigo, escritor e estudante como generais do meu crescimento.

Viver com maios estabilidade é o mesmo que saber distribuir suas necessidades em papéis diferentes e não concentrar em um só, a muito grosso modo, eu estou querendo dizer que se você tem que ser várias pessoas para que tudo de certo, o motivo ? É que se você alocar todas as suas necessidades em uma faceta do seu ser, em um papel da sua vida, é que caso você tenha algum problema nesse papel todas as nossas necessidades são automaticamente insatisfeitas.

Algo estranho que acontece é que, quando algum papel da nossa vida está fluindo como deverás fluir, nós meros mortais, tendemos a colocar todo nosso propósito nele, e utilizamos o mesmo para preencher nossas necessidades, então, quando a minha carreira de pseudo escritor morrer eu espero que eu não caia em depressão profunda.

Dizia o mago Tony Robbins que temos seis necessidades críticas:  certeza, incerteza, crescimento, importância critica (relativo à nós), amor e conexão, e contribuição. Acho que se pararmos para pensar, nós podemos entender o porque dessas necessidades, como elas são congruentes com si mesmas e como tudo isso se encaixa na ideia de separar as necessidades em instancias dos nossos papéis.

Mas agora entenda, às vezes temos papéis na nossa vida que não atendem nenhuma dessas necessidades. Esses papéis tem de ser reavaliados. Papéis têm ações e, se essas ações não preenchem uma necessidade, então estamos fazendo coisas que não contribuem para nossas vidas. E mais uma vez para quem me conhece bem, sabe como eu odeio desperdiçar tempo, a vida é curta demais para nós ficarmos parados, ou fazendo coisas que sejam grau 0 de construtividade.

Porém entenda, a questão de necessidades é uma relatividade real, ou seja, não se preocupe se suas necessidades são totalmente diferentes das do seu irmão.

O idealismo em seus papéis.

Não existe papéis ideais, apenas formas ideais para desempenhar uma destes. Essas formas ideais são diferentes para todos. Para alguns a melhor maneira de fazer dinheiro é abrindo uma franquia do McDonalds, para outros é estudando e escalando o sucesso intelectualmente para o cash.

É aqui que surgem conflitos com a ‘realidade’. Queremos desempenhar um papel de uma maneira, mas nós repetidamente falhamos ou não sabemos como fazer para que algo mais aconteça, principalmente algo menos ideal, afim de preencher nossas necessidades. Isto é especialmente real para coisas que relacionam carreira ou relacionamentos interpessoais. Aquela velha história de que você vai estudar ano que vem de verdade para faculdade e coisas do tipo se aplicam a isso, é muito difícil se livrar de velhos hábitos tal como é escalar a visão ideal de algo sem ir andando degrau por degrau.

Sobre ser melhor 

Ser melhor em um papel não significa a criação de um organograma e ir realizando uma tarefa pós a outra. Isso tudo até agora é contínuo, afinal, as necessidades críticas são contínuas. Nada é saciado quando você cumpre uma tarefa. Se levar seu filho para o Japão está na sua lista de papel como pai, seu papel como pai não vai terminar nesse momento. Vocês entenderam! Todo esse processo é etéreo, e quando você morrer a sua imagem mental deixada no mundo vai continuar seu trabalho.

Completar um organograma não faz você ser melhor em nada. É aqui que o exemplo da empresa se difere da vida real. Ser melhor nos seus papéis é que faz você completar o seu organograma e não o contrário como no exemplo anterior. E ser melhor significa ser melhor nas bases.

Todo os papéis tem bases. Estes são hábitos padrões, como prestar atenção na aula (estudante) ou se exercitar regularmente (lutador).  Se na sua lista tem correr numa maratona, o habito de se exercitar diariamente dentro da role de maratonista vai fazer você conquistar isso.

Ser melhor em um papel significa fazer coisas pequenas todo dia que melhoram nossos hábitos mais primários. Sumir da vida dos seus filhos e depois de anos voltar e dar para eles uma grande viagem não supri o período de inatividade. Nós  normalmente focamos em alvos grandes como maneira de não ter que fazer as pequenas coisas dia à dia.

Sobre foco e sua aura

O grande problema das nossas vidas, em principal quando sentimos aquela sensação que estamos perdidos  é relacionado ao seu foco. Somos seres errantes, e por observação o grande problema das pessoas no meu mundo principal é que elas não colocam o foco no lugar certo.  Conheço pessoas que estavam a ter sérios problemas mentais com isso. Seja dando importância à rotina padrão do papel menos ativo da vida ou até mesmos dando foco para aqueles processos que não acrescentam nada à própria vida. O resultado disso? Os problemas parecem dominar a vida, misteriosamente você começa a acreditar em sorte e azar (e o azar reina), tudo começa a perder o sentido real e você distribui todos os seus problemas em desculpas que normalmente são facilmente solucionáveis (e você não as soluciona) e claro, é dominado por um estranho sentimento de que nada pode mudar e que o mundo é assim como é e que destino existe.

Ultimamente minha missão de vida tem sido ser um evangelista do foco.  Sempre tentando abrir os olhos das pessoas próximas a mim sobre porque elas estão fazendo as coisas erradas. E claro, também sou humano, com isso tento arrumar meus problemas e seguir a trilha certa.

O motivo disso tudo, é que eu acredito, na verdade tenho certeza e poderia discursar sobre isso por horas, que, quando você foca no ponto certo as outras coisas convergem para aquilo. O que eu quero dizer é, se você está indo no ponto certo e tudo está ocorrendo bem, as outras coisas , que você deseja, os outro papéis vão caminhar juntos ao seu principal escalando o sucesso. Se você pensar um pouco nas relações interpessoais que são correlacionadas entre seus papéis e alguns casos envolvidos com as necessidades pessoais dos alvos vai ver pelo menos um pouco de sentido no que eu estou falando.

Se seu foco é ser grande, foque nisso, automaticamente você estará vendo que outros papéis da sua vida estarão gradativamente caminhando para suas expetativas e as vezes para muito mais. Mas entenda, não é seu maior desejo que tem que ser seu foco, as vezes temos que abstrair nossas maiores vontades em outras coisas afim de alcançarmos estas. Todos as maneiras que eu tenho para expressar isso daqui com exemplo são toscas e algumas são relacionadas a pessoas próximas de mim o que faz com que eu não me sinta a vontade de citar. E  claro, eu não me cito pois acho que perdi meu foco. Era muito altruísta by the way.

Ser sem rumo.

Antes de tudo, esse subtítulo se traduz em vários outros. Ser sem rumo é como ser sem objetivo, sem alvo.

E ser isto, não significa não fazer nada. Nós estamos sempre fazendo algo. A questão é o quanto isso contribui para nossa vida ideal.

Ser sem objetivo (acho que prefiro assim) significa que pausamos  nosso caminho em cortar objetivos da nossa lista. Objetivos só são bons se eles forem os certos para você. Algumas vezes isso muda. Nossos valores mudam. Nossas prioridades mudam. Coisas que queríamos a 5 anos atrás podem não fazer mais sentido. Quando estamos subindo a escada do nosso sucesso pessoal, essa escada precisa estar encostada no muro certo.

Algumas vezes, deixamos de saber se o muro ainda é certo. Nesses momentos é melhor parar de subir a escada e dar uma pausa para decidir se é melhor continuar subindo a escada ou descer e encostar ela em outro muro.

Ao focar construir sua vida sobre um papel ou poucos papéis, nós melhoramos a mesma sem ter que medir isso através de um organograma ou algo do tipo. Ter foco esta ligado diretamente a ser melhor naquilo, ou seja, melhorar continuamente hábitos e habilidades, mantendo-se atento para oportunidades afim de melhorar a forma como fazemos o papel e todas as outras coisas. É sobre melhorar as bases. Fazendo isso , nos leva a coisas novas que nunca antes tínhamos considerado. É são exatamente essas coisas novas que fazem com que nos movamos novamente.


Sobre AA

"Não sou tão careta quanto pareço. Nem tão culto. Não acredite em nada do que eu escrever. Acredite em você mesmo e no seu coração."
Esse post foi publicado em Vida e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para “Open up your senses.”

  1. Alberta disse:

    it’s nice to share this information. looking forward to reading more

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s