The Game #2 – “O mapa não é o território.”

2. O Mapa Não é o Território.

Como seres humanos, nunca podemos saber a realidade. Conseguimos apenas conhecer as nossas percepções da realidade. Experienciamos e respondemos ao mundo à nossa volta primariamente através dos nossos sistemas de representação sensorial. São os nossos mapas “neuro-linguísticos” da realidade que determinam o nosso comportamento que dão significado a esses comportamentos, não propriamente a realidade. Geralmente, não é a realidade que nos limita ou dá força, mas sim o nosso mapa da realidade.

Desde o momento em fomos gerados recebemos diversos estímulos, os quais vão sendo codificados e formam a nossa Representação Interna, o nosso Mapa. O que é um Mapa?
O Mapa é o conjunto de todo o aprendizado, as experiências, as coisas que uma pessoa possa ter visto, presenciado, assistido, lido, ouvido, percebido, sentido em sua Vida, e que estão registrados em sua Mente.

Para Geografia, o Mapa é a representação de um território e não o território em si. Se pensarmos no Brasil, por exemplo, sabemos que o território brasileiro tem uma área com 8.511.996 km2, dividida em 26 estados e um distrito federal. Mais com o passar do tempo a divisão territorial mudou ou pode mudar, ou seja, o Mapa muda, mas o território continua o mesmo, então o “Mapa não é o Território”.

Além disso, quando alguém está pensando sobre algo, é apenas uma forma de pensamento que está sendo utilizada, outra pessoa pode pensar sobre este mesmo algo de maneira diferente… isso significa que o “território” pode ser verificado de formas diversas… então “O Mapa não é o Território”.

Há uma diferença incontestável entre a realidade (realidade objetiva) e a experiência de realidade (realidade subjetiva). Cada um de nós cria uma representação do mundo em que vivemos (Mapa) e temos comportamentos mediante esse modelo.

Sabe quando estamos com um grupo de amigos em uma festa, e depois vamos contar para um outro amigo sobre esta festa? Cada um conta algo diferente da festa, pois cada um está percebendo coisas diferentes sobre a mesma festa! Ou quando vamos falar de um filme, e pá.

Não existem duas pessoas que criem a mesma representação das experiências. Portanto, não existem dois Mapas iguais, assim como não existem duas impressões digitais iguais.E assim como não existem pessoas 100% iguais, a individualidade não permite né? (Ver Port Laços.)

Imagine que você está na cozinha de sua casa, pegando um limão… agora pegue uma faca… corte o limão ao meio… e esprema uma das metades do limão em sua boca… que aconteceu? Você sentiu o gosto do limão em sua boca? Mas como?!!! Na realidade objetiva você está lendo um blog!!! Agora, na realidade subjetiva você espremeu um limão em sua boca, pois para seu cérebro, quando você faz a representação de algo, ele traz toda a resposta neurofisiológica como se o que foi representado realmente estivesse acontecendo – e está!!!

Vamos pensar em mais exemplos: já aconteceu com você de alguém contar uma piada como aquela do cúmulo do arrepio? Escorregar num escorregador de gilete e cair num balde de álcool…? Ficou arrepiado? Ou sei la, outra piada toscas dessas.

O nosso cérebro não faz distinção entre o que é realidade e o que é fantasia… para ele, quando você faz a representação interna de algo  é realidade!

E é por isso que existem pessoas que vão tão fundo na fantasia, elas sentem mais que as outras. É realmente muito facil alegar que não acredita e não se deixa levar pela fantasia ou por qualquer experiencia que vá contra sua liberdade, mais é dificil escapar  delas, porque nosso cerebro falha.

Dentro do jogo, levam vantagens aqueles que souberem como controlar seu cerebros afim de não se involver concientimente e contra vontade propria com a fantasia ou com uma realidade moldada.

Afinal, a realidade é mais facil de ser moldada do que uma fantasia interna.

Obrigado, principalmente para a Deborah Epelman , Victor Gallugo e minha velha amiga “Tay”.

Sobre AA

"Não sou tão careta quanto pareço. Nem tão culto. Não acredite em nada do que eu escrever. Acredite em você mesmo e no seu coração."
Esse post foi publicado em The Game Series e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para The Game #2 – “O mapa não é o território.”

  1. Shindo-San! disse:

    Ferir o conceito de liberdade e de realidade não é algo facil de se fazer… Ao menos não dando verossímilhança a isso.
    Você conseguiu!
    Me fez até duvidar da realidade por alguns de segundo (Claro que isso não é merito algum, pq eu gosto de refutar esse ideal constantemente xP)
    Mesmo assim, o texto ficou supimpa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s