[Spoiler Para Caralho] Analise Dos Personagens Do Filme “A Origem” Na Minha e Na Perspectiva Junguiana

O ano está apenas na metade, mas “A Origem” (aka Inception) pode já ser o melhor filme de 2010. Dirigido por Christopher Nolan (O Cavaleiro das Trevas), o filme é centrado em torno de sonhos lúcidos e sonhos compartilhados. Um homem chamado Cobb é um extrator – alguém com a capacidade de extrair informações secretas de uma outra pessoa invadindo seus sonhos. Quando Cobb aceita uma missão impossível, ele e sua equipe devem ir para os níveis mais profundos do mundo dos sonhos. Lá, Cobb é forçada a confrontar seus próprios cicatrizes emocionais e terminar o trabalho antes do tempo que o sonho se esgota.

Enquanto Cobb e seus companheiros sonhadores lúcidos mostram um pouco de controle dos sonhos, eles também são limitados a enfrentar os perigos na mente do sonhador. Dito isto, o filme faz um excelente trabalho de mostrar como realista e detalhada os sonhos podem ser, ou como um sonhador lúcido pode literalmente moldar o mundo à sua volta. Os efeitos especiais são espetaculares – depois de tantos filmes em 3-D com um estouro de computação gráfica desnecessária e irreal, foi refrescante ver  os realistas e bidimensionais efeitos especiais deste filme.

As regras do filme para o sonho lúcido, o tempo de sonhar, e sonho compartilhado foram principalmente as coisas que até mesmo eu e os  membros da Dreamviews (comunidade de sonhos lucidos o qual eu participo) estarima familiarizados. Nesse sentido, ele fez o filme mais interessante, uma vez que Nolan tinha sido capaz de criar sua própria teoria da realidade e os sonhos. Para a maior parte, porém, essas coisas existem para fazer a história fluir mais facilmente, e geralmente não são baseadas em fatos. Embora sonho lúcido e controle do sonho são fenômenos provados , sonhos compartilhados são até hoje um mistério e considerados impossiveis por todos os estudiosos e “praticantes/alvos” do fenomeno.

Como um filme e uma peça de entretenimento, Inception é facilmente o melhor do ano até agora. Mas embora uma boa representação do sonho lúcido, ele ainda está no reino da ficção. Podemos assim concluir o obvio, A Origem, foi feito para atingir vários niveis/tipos de publico, em todos os foruns que eu participo, desde a comunidade do Psicologo Carl Jung até a Comunidade Internacional de Arte , todo mundo esta comentando essa obra-prima e desenvolvendo aspectos interpretativos para este filme. O que mais me deixou feliz nesse filme, foi o fato dele tratar assuntos que estão envolta do meu ser e conhecimento, de uma forma não assustadora e sim muito deliciosa. Dedico esse post a todos os Sonhadores Lucidos pelo mundo que como eu amaram  essa obra, e todos os Psicologos Junguianos (que venham até aqui me criticar até a morte).

Aqui irei classificar, ou pelo menos tentar, encaixar as diversas fases dos personagens nos Arquétipos Junguianos, seja eles os primordias ou os mais atuais.

Afinal, o filme foi praticamente um misto de todos os conceitos que o Jung estudou em seus anos de vida :

Projeções. Talismãs. Símbolos. Consciência. Inconsciência. Subconsciente. O Inconsciente Coletivo. Memorias. Arquétipos. A Sombra. Psique. Transformação. Individuação.Sincronia. Anima. Animus. Persona.

Todos esses conceitos que Jung trabalhou e defendeu durante décadas estão presentes na Origem, muitos deles de modo oblíquo, mas alguns tão claros como o dia.

E eu vou analizar aqui os personagens  , e arquétipos. (ou não xD).

Mal , A Sombra ( Sombra /A Protetora – INFJ)

Mal, a personagem feminina mais chata do filme, esta dentro do Arquéotipo principal “Sombra” como descrito no post anterior, e no atual INFJ (Protetor).

Um dos mais importantes arquétipos de Jung é a sombra, que é principalmente o lado mais obscuro de si mesmo projetado em uma entidade(fisica ou mental). Este arquétipo pode ser representado como muitas figuras diferentes, desde pessoas a animais que poderiam ter assombrado-lo em sua infância. Uma boa forma de trabalhar os arquétipos (os primordiais, basicos, concedidos por Jung) é assim: eles não são realmente a forma que você vê,  mais um sentimento ou emoção que se transforma em uma entidade que possa relacionar-se, e o arquétipo sombra representa a pior parte de nós mesmos e do mal que se esconde dentro de nós. Então, se você ainda está lendo isso aqui, então você saberá que Mal é certamente o mal que se esconde dentro de Cobb. Quero dizer, é mesmo o nome dela, (Mal em latim significa mal, afinal de contas).

Como sabemos, a Mal já está morta, pela primeira vez que a vemos no sonho de Saito no Shinkansen. Ela se matou depois de ter pensado que o limbo era  a realidade e que o mundo que vivia em  tudo mentira. Como sabemos, ela só pensa isso porque Cobb realizou a Inserção sobre ela e sente que é a causa de sua morte, assim o seu lado negro se manifesta na Mal, que poderia muito bem ser apenas uma sombra literal, porque ela segue por toda parte que ele vai, como uma sombra faria. Mal em todos os sentidos é o lado mais sombrio da Cobb que ele não pode conter, e isso é o que faz dela uma ameaça tal, porque lá no fundo, ele sabe que ela é realmente a pior parte de si mesmo, e tudo o que ela faz afeta o resto de seus arquétipos mais íntimos.

Arthur, O Retaguarda ( Heroi / O Guardião – ESTJ)

Vamos encarar, embora  Cobb seja a estrela do show, ele é dificilmente o herói. Cobb está mais como um infeliz ser com muitos transtornos emocionais causados pela sua Sombra dominante (ver Mal, acima). Mas Arthur, que está disposto a enfrentar um ataque de bandidos em um corredor constantemente “mudado” e “agitado” para que assim seus amigos possam entrar em um estado mais profundo de sonho, é material herói puro, especialmente quando ele corre o risco de ser “morto” e ser mandado para o limbo em um estado tão fortemente sedado.

Arthur é tudo que Cobb deseja que ele poderia ser, mas não pode porque ele tem muitos fantasmas seguindo-o por ae.Ele beija a menina, salva o dia (Note que ele é um dos primeiros a acordar no carro submerso e puxar os demais para a segurança), e não falha na sua missão de conduzir os perigos para  longe de seus amigos. Enquanto Dom, em contrapartida, falha em todos os sentindos, até mesmo permitindo a sua sombra / Mal “matar” Fischer Jr. por trás, o que compromete toda a missão. Então, segundo a discussão de arquétipos, isso quer dizer que Arthur e Cobb são o mesmo, só que Arthur é a face de Cobb valente e corajosa, que botaria sua vida na frente da dos seus amigos.

Saito, O Turista ( Pai / Cérebro-Mestre - INTJ)

O arquétipo do pai é uma figura muito forte na psique humana, como é que consegue o que quer e tem um grande controle na pessoa que ele habita. E em todos os sentidos é o que Saito é , o poder necessario para livrar Cobb do exilio e remover as acusações contra ele nos EUA. Saito é o lado de Cobb que seria autoritário e exigente. Ele seria como o chefe na hora de tomar as decisões, sua palavra é lei. Mais no filme, nós vemos que Cobb não é o “chefe” de sua própria equipe, sua segunda arquiteta (Aridne) não o obedeçe quando este a pede para não ir mais fundo em sua mente.Então, nesse sentido, Cobb tem muito pouco controle sobre sua situação, enquanto Saito é exatamente o oposto: ele consegue o que quer e sabe como obtê-lo.

Nota que ele não só convenceu Cobb a plantar a ideia na mente do concorrente , mas ele também convence os outros a deixarem-o ir como um turista, o que seria muito perigoso para a missão.Saito recebe o que ele quer e quando ele quer. Mais talvez, ele tenha tomado um tiro tão cedo no começo da missão porque Cobb não tinha como lidar com uma figura como aquela logo ali.

Eames , O  Falsificador ( Malandro / O Visionário - ENTP)

O Arquétipo do Malandro é enganoso e sombrio, e Eames é o mais sombrio de todos eles. Trabalhando como um falsificador, na realidade, e como uma forma de metamorfo no mundo dos sonhos (até capaz de mudar de sexo para deixar o alvo de guarda baixa). Eames é o lado do Cobb que ainda pode rir de si mesmo e esboçar um sorriso, mas também o grande enganador que mal consegue distinguir realidade de um sonho.O lado malandro é de extrema evidencia, quando Cobb mente não só para toda sua equipe como para si mesmo , acreditando que esta tudo sobre controle quando na verdade, la no fundo ele sabe que esta tudo uma verdadeira bagunça.

É no sonho Eames (a fortaleza nevada) que Cobb é verdadeiramente confrontado com a sua sombra, e é nesse ponto que ele sabe que não pode mentir mais para si mesmo. O Malandro prova para ele, colocando ele frente a sua sombra.  E vendo a sua sombra “matar” Fischer, que é o mesmo que  matar a criança dentro dele (Mais sobre isso em baixo).

Robert Fischer Jr. , O Alvo ( Criança / O Idealista -INFP )

Robert Fischer Jr. só quer aceitação de seu pai, e como o arquétipo da criança, ele é o lado do Cobb que deseja ser inocente de novo. Note que quando abre o cofre de Fischer, ele puxa os cata-ventos que havia na foto com seu pai.Este lado do Cobb é muito complicado para discutir ja que Cobb realmente engana a criança dentro dele, mentindo para Fischer no bar e alegando que as imagens que ele vê estão realmente tentando matá-lo quando seu objetivo é realmente salvá-lo de ladrões de sonhos,  sendo Cobb um deles.

Isso me leva a crer que Cobb está tentando passar pelo seu lado indefeso de si mesmo nessa parte do filme e não quer que a sua inocência o retenha.Ele quer ser mais como o arquétipo do pai(Saito) e ter o controle. Mas Cobb não pode alcançar a catarse de subjugar seus arquétipos, e no final, por conseguir trazer Fischer de volta a vida, o permitindo abrir seu cofre , que eu acredito ser o sinonimo de renascimento para Cobb, que é o que o arquétipo da criança representa para o sonhador, um novo começo. Que foi muito emocionante no filme.

Ariadne, A Arquiteta (Anima / A Arquiteta – INTP)

O Anima é o lado feminino dentro de um macho (apesar de existir também no ser feminino, na verdade, o Animus e o Anima existem dentro de todos os seres), e Ariadne representa oAnima de Cobb, ou seja, o que ele realmente é por dentro e não o que ele apresenta para a sociedade. Fora de todos os outros personagens no filme, ela está mais próxima de ser quem ele realmente é, nota, todos os detalhes que Cobb diz a  ela são basicamente os mesmos detalhes que ele está dizendo a nós também, claro, nós fomos a audiencia e isso só quer dizer que ele não consegue enganar ela.  Mais ela também é um arquiteto, que foi o que Cobb era, antes de sua Sombra sair do controle

Pense nisso, é Ariadne que vai com ele para o limbo quando toda a gente tem que ficar para trás.Ela é a única que tenta puxá-lo longe de seu lado mais sombrio e levá-lo a seguir em frente para que ele possa ser ele mesmo outra vez. Ela é basicamente uma Cobb jovem com uma vagina. Eu acho que não tem mais o que falar sobre ela aqui.

Miles, O Mentor (O Velho-Sábio / O Conselheiro -INFJ)

Miles, é o velho-sábio dentro de Cobb,  e acredite ou não, talvez o mais complexo de se explicar.Ele é quase um paradoxo loopado (como as escadas do time) , dentro dele esta encarnado uma quantidade infinita de conhecimento, mais ao mesmo tempo, o professor dentro de si (Miles Personagem) é capaz de ter sua Amina (Aridiane) como aluna. Miles é o lado sabio de Cobb que ensina para o seu lado feminino , mais que no fim é o mesmo que ensinar para Cobb, ou seja, Cobb ensina para si mesmo? Eu não sei. E esse aqui talvez por não ter mais presenca no filme eu não consiga o definir melhor, talvez você possa fazer um trabalho melhor com ele.

Yusef, O Alquimista (Persona / O Artesão – ISTP)

O persona representa, o mundo consciente e o inconsciente dentro de um só ser, e é isso que é Yusef no caminho de Cobb. Ele é tanto o link para a realidade e também o prenúncio para o mundo dos sonhos. Por ser o sonho inicial de que sua equipe entra dentro, acredite ou não, acho que Yusef pode ser o mais próximo do que realmente é Cobb como um indivíduo, por ter todos esses arquétipos nadando dentro de si. Lembre-se, Yusef é o único outro que sabe sobre o limbo no início. Assim é em Yusef que temos toda as demais seções segmentadas de Cobb, e por permitir que seus outros arquétipos  a afundar no seu fundo (pleonasmo da hora), ele está permitindo que todos se entendam que cada arquéotipo se entenda um com o outro.

E aqui encerra a analise arquétipica dos personagens, no fim, encontramos que todos são a mesma pessoa : Cobb. Um grande quebra-cabeça mental que a maioria das pessoas foi/deve ser incapaz de ver.

O fim do filme, quando ele desce no aeroporto apos a missão comprida é pra mim a sequencia mais satisfatoria do filme. Quando ele faz o seu caminho em direção à segurança, ele passa por cada personagem-chave na sua história, um reconhecimento claro da sua importância individual e coletiva a jornada psicológica de Cobb.  De uma perspectiva junguiana, é como uma passagem final através de todos os mais variados aspectos da psique de Cobb, mentalizados por Ariadne, Arthur, Eames, Saito, Yusuf, e Fischer – com a Sombra da Mal presente simbolicamente por sua própria ausência.Então, a última peça: Cobb volta para casa com seus filhos, que finalmente mostram as suas faces em direção a ele. Ele está reunido com eles, abraça eles, deixando o seu talismã para trás. Ele não se importa se ele continua ou pára de girar. Ele está em casa. Conseguiu Unidade.

Em algum lugar Carl Jung esta sorrindo. Mais será que voce consegue armar o quebra-cabeça melhor que eu?

See you in anoter life!

Sobre F

"Não sou tão careta quanto pareço. Nem tão culto. Não acredite em nada do que eu escrever. Acredite em você mesmo e no seu coração."
Esse post foi publicado em Psicologia e marcado , , . Guardar link permanente.

19 respostas para [Spoiler Para Caralho] Analise Dos Personagens Do Filme “A Origem” Na Minha e Na Perspectiva Junguiana

  1. Acid disse:

    Parabéns, cara! Parabéns mesmo! É MAIS uma visão genial de um filme genial, que permite várias visões coexistindo.

  2. twig000 disse:

    Vlw Acid! Inserção foi definitivamente um filme genial, de um diretor genial haha.
    Apareça mais vezes ae, eu tenho postado pouco mais tenho postado =D

  3. Pingback: Soy Loco Por Ti, América » Inception e cibercultura

  4. rafs disse:

    Mas que merda, hein? Btw, ‘concelheiro’ doeu na vista.

  5. twig000 disse:

    Rafs, perdão meu brother.

  6. Victor disse:

    Cara, parabéns! Sua análise abriu uma perspectiva totalmente nova para minha interpretação do filme. O jeito agora é pegar e revê-lo, hehehe.

  7. twig000 disse:

    Vlw Victor, eu realmente peguei um carinho especial por esse filme, e olha, vendo seu comentario , eu esqueci de comentar sobre a simbologia da agua no filme , depois farei isso, apareça ae depois :)
    Obrigado.

  8. Max disse:

    Parabéns pela análise.
    Acredito que ela seja precisa , provocativa e ….
    Só posso igualar este filme a somente um outro , lançado em 1999 ( Matrix ). Ainda falta assistir e analisar ExistenZ. Porque falo isso ?
    quando assisti Matrix pela primeira vez , eu pensei e senti :
    Este era o filme que eu procurava e nunca tinha encontrado e , agora repito a mesma frase com A Origem.
    Estes filmes deveriam ser “obrigado” a todos assistirem , mas , se fossem obrgiados , não atingiria quem deve , por que ai não haveria “Escolha”.
    Abç.
    Max

  9. Thania disse:

    Adoreeeeei
    mas agora fiquei curiosa, qual o significado da agua???

  10. DeSouza disse:

    Thania, eu realmente fiquei de postar mais eu é que eu to sem tempo para parar e pensar como escrever.
    Mais o significado da agua é essencialmente a soberanida da mente sobre o nosso corpo.
    :)

  11. Dennis Henrique disse:

    Muito bom o texto, creio que Jung diria algo bem próximo ao que foi dito se tivesse visto esse complexo e genial filme.

  12. Rene Schubert disse:

    Ola Felipe,

    Muito boa a sua exposição e leitura dos personagens! Parabens! Estava fazendo uma pesquisa para uma aula sobre o filme e, seu artigo foi o mais interessante que li!

  13. Celeida Lima disse:

    O filme é incrivel, seu comentarios também. Ainda não tinha visto uma analise tão bem elaborada, parabéns.
    Eu havia ficado na duvida se ao voltar pra casa, Cobb estava na realidadade ou no virtual e que o talismã era a única maneira de detectar isso e ainda estou, essa “unidade” que diz que ele consegiu seria real?

  14. DeSouza disse:

    Olá Celeida

    Sobre a parte da unidade, acho que não deixei claro.

    A unidade seria quando você entra em harmonia com todas as partes da sua personalidade (sombra, amina, persona e etc…), é o equilibrio e a estabilidade do ser-humano.

    Unidade é como se fosse o objetivo da vida, que muitos lutam mas poucos atingem. E que quanto atingido nada mais importa, esteja cobb na realidade ou no virtual.

  15. Celeida Lima disse:

    Obrigada por responder e , aproveitando…o que acha que seria o fato de não aparecer o rosto das crianças nas lembranças de Cobb, apenas no final, qual seria o simbolismo? As crianças nunca corriam em sua direção, mas ao final elas correram , como se ele passasse a ser real. Quer comentar?

  16. DeSouza disse:

    Bem, eu não cheguei a pensar sobre isso, foi bom vc levantar esse tópico.

    Mas refletindo rápido, pode-se dizer que é uma relação do ‘ subconciente do Cobb vs a Sombra psicologica’ .

    Digo, as crianças não se mostravam antes ao pai, pois o mesmo apesar de querer muito as ver não merecia. Ele queria, mas o subconciente não deixava . Só quando ele entrou em harmonia com ele mesmo e se livrou da culpa, independente de estar no real ou no irreal (tanto o cerebro quanto o subconciente não diferenciam realidade de fantasia) o subconciente dele permitiu que ele visse as crianças.

    Isso até me leva a crer que ele ta no sonho. Porque a questão que faz com que as crianças olhem para ele ou não, não vem delas e sim dele.

    A personalidade do ponto de vista psicologico analitico é dividida em partes e o Cobb estava atormentado com algumas partes da sua. A principal a Sombra, que era representada pela esposa dele, que ele se culpava pela sua morte.

    Bem, acho que em sumo é isso. Se eu pensar em algo melhor posto por aqui.

  17. Pingback: Quando o feito tem que ser abandonado « Team Rand vs. the World

  18. Ágatha F disse:

    Nossa, o filme é incrível, mas depois de ler isso, ele parece ter ficado, impossivelmente, mais ainda! Parabéns!

  19. DeSouza disse:

    Obrigado Ágatha :D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s